Pesquisar este blog

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

fome e olhos de esperança

agora a erva da fome
da sede nos abatia
além do sol quente de morte
no calor do meiodia
Ah! infinito estradar
de murici a juazeiro,
As palmas batidas ao portão,
a dona da casa que chega
e nos serve a fria água
dessa gente hospitalheira
de quentura nordestina
daquele sertão de mundo.
Djalma embola as palavras
ao pedir pouca comida,
a dona adenra a casa
muito bem compreendida,
no portão a nossa espera
uma hora vale uma era.
Passam solenes minutos
da cozinha a mulher não sai,
os olhos firmes de Djalma
penetram toda morada,e,
estático seu corpo está
como natureza morta,enquanto
o pequeno ponteiro
no relógo dar sua volta.
Saimos dali cabisbaixos.
__ela nos deu a melhor água,
o resto não mais importa.


(a memória de seu djalma,
cicero gomes)

Nenhum comentário:

Postar um comentário