Pesquisar este blog

sábado, 30 de outubro de 2010

POEMA DO BECO

Que importa a paisagem, a Glória, a baía, a linha do horizonte

__ O que eu vejo é o beco


salve manuel bandeira

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

um só palavra

de sepre gado

DESEMPREGADO

frequentemente cometemos erros tão bonitos

foi uma tarde,
jaboticabas e manga-rosa.
voce me disse
que a boniteza da vida
é roupa no varal.
foi numa belohorizontina tarde
que a verdura da paixão ardia em nossas mãos.
dela só sei o seu nome,
dos seus olhos sei a cor
estrábica luz e torpor.
tudo foi tão poesia
até o duro do adeus

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

PaLavrAmiga: São João

PaLavrAmiga: São João: "A fogueira chora. Meus olhos ardendo teus olhos ardidos queimando meu corpo."

São João

A fogueira chora.
Meus olhos ardendo
teus olhos ardidos
queimando meu corpo.

cicero gomes

cícero gomes
é poeta
vaga-mundo
retirante
'a procura da utopia
sente demais
e canta bem
Vive poeta
seu coração garante o que sonha

pedro casaldáliga

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

escancare o seu passado

escancare seu passado
pois o presente ja lhe basta.
não se envergonhe do que voce ja foi
pois naquele tempo
foi o máximo que conseguistes.
deixe no cofre apenas as noites não dormidas
pois o medo senhora
é uma bola de neve
e a vida breve

A Diferença

estava os dois na janela
ele bem juntinho dela
namorando dando um cheiro
ela diz: Juca responde
porque é que a lua se esconde
por detras no nevoeiro.
Juca responde:
Maria,toda vez que a lua espia
e ver nos dois na janela
esconde seu quilarão
porque voce no sertão
é mais formosa que ela.

Porém casaram-se os dois
e essa pergunta depois
Maria tornou fazer
e Juca respode as butadas
__pergunta besta danada
num sabe que é pra chover

Salve
o mestre Pompílio Diniz

O Saber Da Carta

a carta por seu segredo
traz o medo aos cuidados
o frio que emociona
a trama,o trase,adivinha.
a carta para o poeta
é um transporte que chega
entulhado de notícias
de drama coloquial.
quem ficou ou está longe
no mais igual cotidiano
sabe que a carta em si
traz o sabor dos anos
de ânsia enigma e espera

pouco brincar

pouco brincar.

acaricio os joelhos como se fossem  o mundo

__sim,porque meu coração só é frágil nas alegrias

os números

pelo visto e o não visto só os números queimam
pouca semelhança com o dia
revidamos fácil o que é noturno
somos a rapa do tacho
a semelhança do ninho de guache

domingo, 24 de outubro de 2010

agora escrevo teu nome

na memória
sei decor todos os gestos
e tua mania de reunir nuvens e rios
na palma da tua mão

tua voz era suave pássaro da noite
e largos
teu sorriso de encantar

__agora retardo
todas as primaveras
e com as estrelas
escrevo teu nome

wã purã
alguem em paz

sábado, 23 de outubro de 2010

PALAVRADOPOETA: volta atrás vida vivida

PALAVRADOPOETA: volta atrás vida vivida: "te quero no tempo hoje mas volta atrás vida vivida para que eu possa recolher no vento o que não soube viver volta atrás com candeeiros o s..."

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

uma bola

a bola o mundo
a bola do mundo
o mundo da bola

a bola é o mundo
a bola
o mundo
o mundo
rebola
o mundo
ébola
bo
la
ola
la
bo
la

sinto saudade

sinto saudade até do que não conheço.
eu queria ter sido amigo de torquato
fumá uns e tal
discorrer sobre rimbaud
borges
jorge de lima.
sinto saudade do tempo
que o pt
era um bando de durangos
saiam por ai a vender estrelas
e sonhos
--e hoje são um bando de arrogantes
que não inspiram
nenhuma confiança
e poesia

sujeira pouca é bobagem

e nesse gran circo da democracia
tudo
confuso e pardo
ta difícil a escolha
a justiça cega sempre
e o povo tateando
--onde o navio vai chegar...

balão de água

será balão de ensaio para encobri o mal feito
das agressões lá do rio,

tática velha
para desviar as atenções.

MEU SILENCIO

ta tudo aqui engasgado
ranço remorso
tudo misturado
e essa dor
q arrebenta alem do dia