Pesquisar este blog

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

poema com um blues

pela rua das trincheiras
contando estrelas
chutando tampinas
e teu poema na algibeira
meu coração cançado de ladeiras
meu eu nessa zoeira
de tantas e quantas saideiras





terça-feira, 20 de dezembro de 2011

natal nordestino

Um canto lindo para tempos de esperas e esperanças



a lua

a lua
lavra
livre o lume
na rua
passam
livres
os passos
no
ar
voam
livres
os pássaros

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Crespo

esse meu cabelo crespo esse meu jeito essa minha cara esse meu cabelo tantos quantos séculos de história tanta luta quanto luto banzo africas tapuias tupis Não me venhas com seu preconceito vá se fuder com sua chapinha! O meu cabelo é crespo! Crespo como são crespas as minhas mãos da batalha. Crespo crespo crespo crespo e em pleno século XXI a chaga do preconceito ainda mostra sua face.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Tupila Ruiz II

Ela tem um jeito de cantar umas falas uns gestos que toca ao coração. Ela tem assim um jeito maneiro malemolente decente brejeiro de cantar. Quando ela canta sua música é cheia de cores odores sabores. Uma vontade de dançar na chuva Um pôr de sol da infância tudo nos remete Tulipa e por ela a tarde se pinta de azul na pacata São Lourenço teu cantar é varanda é pão de queijo e a saudade nua do primeiro beijo.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Tulipa Ruiz

um gole em sua homenagem um brinde 'a sua voz uma lágrima de emoção encanto alumbramento oh doce tulipa!

Meu caro Dr. Sócrates

Quantos domingos você me deu alegria Dr. Sócrates. Não que jogasse pelo meu time... Éramos até um pouco parecido na juventude, dizia os meus amigos, e eu ficava ancho de orgulho. Você ali sutil no gramado parecia alheio a tudo. Tecias poemas com os pés. Ah Dr.! Futebol hoje não tem leveza. É uma correria da peste! Que belo legado à tal democracia Corintiana. Embasbacou gregos e baianos. Você se foi e, quando encontrares o menino Garrincha, manda um abraço, deste pequeno poeta comovido. Gracias por tudo Dr.